Para Chico Buarque, o Prêmio Camões… …pelo conjunto da obra.

Para Chico Buarque, o Prêmio Camões…  …pelo conjunto da obra.

Nesta terça-feira, 21 de maio, o compositor, cantor, dramaturgo e escritor Chico Buarque de Holanda, 74 anos, foi agraciado, por unanimidade, com o 31º. Prêmio Camões/2019, pelo Conjunto da Obra.

O Prêmio Camões foi instituído em 1989 pelo Brasil e por Portugal, sendo considerado o principal prêmio de Literatura em Língua Portuguesa para agraciar, anualmente, pelo mérito à autoria – escritor(a)- cuja obra literária contribui para a projeção e o reconhecimento da língua portuguesa.

Embora seja conhecido popularmente pela produção musical, como escritor Chico Buarque sedimentou uma obra Literária bastante significativa, a partir de 1974, quando estreou com a novela Fazenda Modelo (ficção). Em 1979, uma nova publicação, inserindo-se na literatura infantil com o título Chapeuzinho Amarelo.

Segue-se o primeiro romance, Estorvo, lançado em 1991. O segundo livro Benjamin surgiu quatro anos depois, em 1995. Posteriormente, são publicados Budapeste, lançado em 2003; Leite Derramado, em 2009 e O Irmão Alemão, lançado em 2014. Quatro peças compõem sua produção teatral: Roda Viva (1968); Calabar (1972); Gota D’Água (1974), e Ópera do Malandro (1978).

Anteriormente, o Prêmio Camões já foi conferido a outros autores brasileiros, entre os quais, Raduan Nassar (2016), Ferreira Goulart (2010), Lygia Fagundes Telles (2005), e Jorge Amado (1994). A premiação foi anunciada pela Biblioteca Nacional, pelas redes sociais. O júri da 31ª. edição do Prêmio Camões se reuniu na sede da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, nesta terça-feira. Chico Buarque vai receber 100 mil euros pelo prêmio. Chico Buarque é o 13º brasileiro a receber esse prêmio que lhe foi concedido pelo conjunto da sua produção literária.

Também compositor, cantor e ator tornou-se popularmente conhecido, no Brasil e no exterior, como letrista e na prosa literária. Embora não muito afeito a arroubos e tietagens, parecendo tímido ou “intimidado nos palcos” com sua voz, às vezes rouca ou meio nasalada, modesto, não querendo aparecer… impossível. Chico canta e encanta.

Postagens aleatórias

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Cancelar resposta