Então é Natal…

Então é Natal…

… então é Natal. (…) Ouvimos, todos os anos, essa canção (letra e voz de John Lennon) e, atualmente em português, na voz da cantora Simone.

Quando crianças, ouvíamos outras canções natalinas, nas escolas, nas igrejas cristãs, entre cânticos e canções, corais natalinos e encenações.

Noite Feliz é uma das canções mais significativas e lembradas:

 

“Noite Feliz, Noite Feliz…

Oh Senhor, Deus de amor.

Pobrezinho, nasceu em Belém,

Eis na Lapa, Jesus nosso bem.

Dorme em paz oh jesus…

Dorme em paz oh Jesus…”

Então é Natal com todos os sinos e símbolos e conforme afirma o Padre Leomar Brustolin: “(…) Que nossa preparação ao Natal seja um caminho que nos conduza à Noite Feliz na qual o Sol nascente veio dissipar toda a treva. Não pode haver tristeza quando nasce a vida!” (Celebrar o Natal. Sugestões para a família e a comunidade. Ed. Paulinas. 2017)

Então é Natal… Então, Feliz Natal, com troca de presentes, cidades e lojas iluminadas, música no ar, Ceia de Natal e tudo o mais que simbolizam Noite e Dia de Natal, mas que não significam, necessariamente, o caminho que conduz à Noite Feliz ou à felicidade. Felicidade então seria a normalidade e então haveria verdadeiramente, uma celebração.

A Estrela de Natal, a Árvore de Natal, o Presépio, as Luzes, a Ceia de Natal e todos os esforços pela celebração de uma Noite Feliz podem conduzir à transformação social, quando significam acolhimento, continuidade, cuidado, zelo, amor e paz. Portanto, mesmo sendo Natal, não podemos apenas ouvir Cânticos e Canções de Natal, ou encenar o Auto-do-Natal, enquanto existirem famílias carentes e desestruturadas e crianças sem lar e fora das escolas.

Mas, onde estão os Reis Magos com valiosos presentes:  ouro, incenso e mirra? E a Estrela de Natal?

É preciso andar pela cidade oculta, então poderemos encontrar jovens mães famintas, carregando nos braços seus filhos ainda bebês, pelas calçadas e ruas das cidades, “pelas extremas” e nos arredores das feiras livres, crianças nascendo e vivendo, em situação de evidente vulnerabilidade.  São todos “meninos-Jesus”, nesta Noite e Dia de Natal.

Artigos Relacionados

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Cancelar resposta