• S A U D A D E … um substantivo abstrato

    S A U D A D E … um substantivo abstrato0

    Antes mesmo do início deste mês de agosto, em meio às limitações sociais – isolamento, quarentena – e tudo mais que está ocorrendo, estamos de volta para “as rotinas deixadas para trás”, mesmo sabendo que nada será como antes. Uma forte sensação de insegurança paira entre nós, com tantas perdas, sobretudo as perdas afetivas, também

    LER MAIS
  • Memórias… Lembranças em dias de solidão

    Memórias… Lembranças em dias de solidão0

    Já faz algum tempo, tento escrever um texto que venha alegrar-me o espírito. O tempo não tem ajudado. Estamos no período chuvoso, aqui no Nordeste, com chuvas constantes, e regularmente, quase todos os dias. A minha mãe gostava muito de passear, visitar sua prima e conversar com suas vizinhas, mas ficava triste, calada e muito

    LER MAIS
  • A Mudança… A selva escolar

    A Mudança… A selva escolar0

    Ainda muito novinha e assustada, estudante do fundamental 2, consegui aprovação para ingressar no curso para formação de normalistas. Não era bem “o que queria ser quando crescer” e no meio de tantas meninas ricas e…. atrevidas, poderosas me atemorizavam. Eu, bolsista, tímida por natureza, intimidável… elas, perturbadoras, se divertiam amedrontando-me, enfraquecendo-me. Mas como eu

    LER MAIS
  • Tempo… para as crianças

    Tempo… para as crianças0

    Tempo… para as Crianças!   Hoje meu pensamento me fez voltar ao tempo com crianças. Adoro crianças. Sempre gostei de ler revistas infantis em quadrinhos para “acalentar” meus sobrinhos, ao balanço gostoso de uma rede, ventilação refrescando o calor do Nordeste. Assim, atendi a um chamamento e “adotei” meus sobrinhos, às vezes contando uma historinha

    LER MAIS
  • Era uma vez… uma Normalista, um Pequeno Cientista e a Conquista do Espaço

    Era uma vez… uma Normalista, um Pequeno Cientista e a Conquista do Espaço0

    Neste texto volto ao meu tempo de normalista, buscando a independência. “Visitei” a imaginação e a memória resolveu me revelar algumas passagens. Juntando todos os caquinhos aos fragmentos da realidade, consegui (re)compor uma fase bem significativa … vamos à história… Cursava o último ano do curso pedagógico que conclui em 1967, sentindo-me insegura para assumir

    LER MAIS
  • Pelos olhos de Alice… (P t-I)

    Pelos olhos de Alice… (P t-I)6

    Era uma tarde clara e ensolarada, às 15 horas, naquela quinta-feira, em janeiro de 2018. Ao chegar à parada de ônibus havia apenas uma mulher esperando o transporte coletivo, prestes a passar por ali, com destino à Lagoa, no centro da cidade.  Uma brisa suave, vinda do mar, refrescava o calor. -Boa tarde. –Boa tarde.

    LER MAIS